Saúde   |   23/08/2017   |   3.67 Mil visualizações

A industrialização trouxe a exposição dos seres humanos aos produtos químicos de forma acelerada e desenfreada. Em nome do progresso deixamos de lado as precauções necessárias à manutenção de nosso bem maior: a saúde.

Na esteira desse progresso descomedido, deparamo-nos com um vilão cada dia mais voraz e pernicioso: os disruptores endócrinos que lentamente ameaçam a vida humana.

Rotineiramente presentes em substâncias de consumo, em áreas rurais ou urbanas. São encontrados em depósitos de lixo, em lixos domiciliares ou hospitalares, contaminando assim o solo e lençóis freáticos e consequentemente, trazendo grandes prejuízos a vida!

O que são os disruptores endócrinos

Esta palavra aparentemente complexa e que até o século passado nos era desconhecida, serve para designar a alteração da ação natural dos hormônios e de nosso sistema endócrino através de substâncias químicas encontradas no meio ambiente e em produtos industrializados que gradativamente se instalam em nossos organismos produzindo danos muitas vezes irreversíveis.

Como o disruptor endócrino age nos hormônios?

Para que os hormônios possam agir, há a necessidade dos mesmos se ocuparem de receptores específicos, existentes no núcleo ou no plasma celular, podendo desta forma desencadear a resposta biológica necessária. É nesse momento que os disruptores endócrinos se ligam aos receptores, impedindo ou exacerbando a ação dos hormônios.

A alteração hormonal provocada pelos disruptores endócrinos, vai desde a diminuição da produção hormonal, a alteração da secreção dos hormônios até a mudança da função e ação dos mesmos, causando extremos prejuízos á saúde humana. Por isso algumas pessoas ficam tão doentes ou vivem com a imunidade baixa!

Principais alterações hormonais causadas pelos disruptores endócrinos

Os disruptores endócrinos são também conhecidos como xenoestrógenos, que podemos entender como: xeno=estranho e estrógeno (o hormônio feminino). Os disruptores endócrinos se assemelham quimicamente aos hormônios femininos e, portanto podemos imaginar as conseqüências danosas dos mesmos aos se instalarem em um organismo masculino ou infantil.

Estudos nos mostram que os homens dos anos 40 possuíam mais espermatozóides que os homens nascidos no final do século passado, mais precisamente nascidos há 20 anos.

A diminuição tem ocorrido, por conta de vários distúrbios, principalmente provenientes do uso de elementos nocivos à saúde que se encontram em alimentos e produtos cotidianos, como shampoos, sabonetes industrializados, entre outros que acabam produzindo efeito negativo dentro do organismo.

Quais são os principais danos à saúde causados pelos disruptores endócrinos?

  • Redução da fertilidade feminina.
  • Redução do número de espermatozóides.
  • Más formações congênitas.
  • Câncer de fígado e de rins.
  • Câncer de mama.
  • Disfunções hormonais.
  • Puberdade precoce.
  • Obesidade.

Mas onde encontramos estes “vilões” denominados disruptores endócrinos?

  Estão presentes no meio ambiente em mais de 350 substâncias, em pesticidas, medicamentos, produtos de beleza e embalagens.

O mais conhecido é o Bisfenol A também chamado de BTA, que como um membro a mais da família instala-se em nossos lares na forma de garrafas, copos, talheres e até mamadeiras.

Até 2.011 não havia uma política específica governamental para a produção de mamadeiras contendo o BTA. A partir de 2011 a ANVISA proibiu o uso do Bisfenol A na fabricação de produtos infantis.

É importante ao comprar produtos infantis importados verificar se possuem o selo do INMETRO, e claro, sempre optar por produtos orgânicos.

Quais são os principais disruptores endócrinos?

O mais prejudicial de todos é sem dúvida alguma, o plástico que ocupa o 1º lugar neste “ranking” de malefícios. Em seguida e não menos prejudiciais temos:

  • Pesticidas
  • Inseticidas
  • Agrotóxicos
  • Revestimento interno de latas de conservas (material plástico)
  • Filmes de PVC
  • Alumínio (Panelas e embalagens UTH)
  • Produtos alimentícios refinados tais como: açúcar, sal
  • Detergentes
  • Conservantes
  • Acidulantes
  • Adoçantes artificiais

Como identificar a presença deste “vilão” e assim evitar seu consumo?

Neste mundo industrializado, não é fácil fugirmos  da presença dos disruptores endócrinos, pois estão presentes em quase tudo que consumimos,  mas uma boa dica é evitarmos o consumo de qualquer alimento ou produto de beleza industrializados, e que possuam data de validade longa entre 6 meses e 2 anos, pois isso é um indicativo da utilização dos mesmos.

Abaixo temos uma tabela com alguns dos disruptores endócrinos mais comuns, presentes em nosso dia-a-dia.

 

DISRUPTORES ENDÓCRINOS OCORRÊNCIA/UTILIZAÇÃO
HCH; Metoxicloro; Mirex; Paration; Piretróides; Toxafeno Inseticidas
Metiram; Mancozeb; Maneb; Zineb Fungicidas
Compostos pirimidínicos (Metirimol, Etirimol e Ciprodinil) Fungicidas aplicados em frutas e cereais
Estireno Fabricação de plásticos (ex.: copinhos descartáveis) e borrachas diversas
2,4-D; 2,4,5-T; Alacloro; Atrazina Herbicidas
Bisfenol A  Resinas epóxi; revestimento interno de latas para alimentos diversos
 Acrilamida Tratamento de água e esgoto; impressão definitiva de tecidos
Fenilfenóis Desinfetantes
Óxido de Etileno Esterilização de equipamentos cirúrgicos

Quais ações devem ser tomadas para minimizar o uso dos disruptores endócrinos?

Uma vez, que é quase impossível evitarmos os agentes químicos danosos à saúde, devemos tomar algumas precauções diárias para que os danos sejam menores. Citamos:

  • Trocar as embalagens de plástico por recipientes de vidros.
  • Usar sabão de coco ou sabão de fabricação artesanal no lugar de detergentes.
  • Fazermos assepsia nas hortaliças e leguminosas com tintura de iodo ou água oxigenada volume 10, no impedimento da utilização de produtos contaminados.
  • Evitar o consumo de enlatados devido o revestimento interno dos mesmos.
  • Usar panelas de inox ou aço cirúrgico pois as mesmas impedem que os metais passem para os alimentos.
  • Excluir as panelas de alumínio.
  • Incluir na alimentação diária o uso de açúcar demerara ou mascavo e o uso de sal grosso.
  • Não utilizar utensílios de plásticos danificados, quebrados, arranhados ou riscados.

E o plástico? Como ter uma convivência pacífica com este utensílio doméstico?

Se lembrarmos que este é o principal disruptor endócrino causador de malefícios colossais ao nosso organismo; que está presente no copo de café saborosamente degustado nos intervalos laborais e que o agente químico que o compõe se potencializa através do calor, chegaremos à conclusão de que o melhor a fazer é excluí-lo de nosso convívio.

O plástico é tão danoso que o simples ato de esquentarmos uma comida no microondas em embalagens plásticas não projetadas para esse fim ou se colocarmos bebidas quentes em canecas ou recipientes plásticos, isso faz com que se inicie uma contaminação, pois há a liberação lenta e gradual de agentes químicos.

Estará nosso futuro ameaçado?

Caso não se estabeleça, políticas públicas de limitação ou proibição do uso descontrolado dos agentes químicos, estaremos fadados a uma geração de pessoas doentes, resultantes da ganância humana.

Portanto, comece a usar produtos orgânicos e tenha uma vida mais feliz e mais saudável!

Comentários

Não tóxico

Não testado
em animais

Livre de
parabenos

Vegano

Gluten-Free