Saúde   |   19/03/2018   |   134 visualizações

“Gestantes podem usar Óleos Essenciais?” Essa dúvida é frequente e muito importante! Nesse post reproduzimos um excelente artigo da Associação Nacional para Aromaterapia Holística (EUA). Ao final do post você encontra duas tabelas práticas e simples com orientações de segurança.

Esse artigo da Associação nacional de aromaterapia holística dos Estados Unidos (NAHA – USA) possui uma riqueza de informações e uma abordagem consciente em relação a esse controverso tema. Compartilhamos uma tradução feita por nossa equipe editorial, com o intuito de que essas informações possam chegar também ao público brasileiro.

A NAHA adota diretrizes semelhantes à Federação Internacional de Aromaterapia Profissional (em inglês IFPA). Aqui estão as suas diretrizes. Visite ifparoma.org para obter mais informações sobre a IFPA.

“O uso de óleos essenciais durante a gravidez é um tema controverso e que ainda não foi totalmente compreendido. A principal preocupação durante a gravidez parece ser o risco dos constituintes dos óleos essenciais atravessarem a placenta. De acordo com Tisserand e Balacs, cruzar a placenta não significa necessariamente que haja risco de toxicidade para o feto; isso dependerá da toxicidade e da concentração plasmática do composto. É provável que os metabólitos dos óleos essenciais atravessem a placenta devido ao contato íntimo (mas não direto) entre o sangue materno e o embrionário, ou fetal. Tony Burfield continua dizendo: “no meu entendimento a atitude responsável é desencorajar completamente o uso de óleos essenciais durante os primeiros meses de gravidez”.

Posso usar Óleos Essenciais quando estiver grávida?Jane Buckle comenta: “o uso de óleos essenciais na gravidez é um assunto controverso, especialmente durante o primeiro período vital de 3 meses. É extremamente improvável que um banho noturno contendo algumas gotas de óleos essenciais causará problemas para o bebê”. “Não há registros de fetos anormais ou fetos abortados devido ao uso “normal” de óleos essenciais, quer por inalação ou por aplicação tópica” .

De acordo com Wildwood, “Um mito comum na aromaterapia é que os óleos de massagem contendo óleos essenciais, como a Sálvia Sclarea, Rosa ou mesmo Alecrim podem causar aborto e, portanto, devem ser evitados durante a gravidez. Autores, como Ron Guba, Kurt Schnaubelt e Chrissie Wildwood, apontaram que não houve casos registrados de aborto ou defeito de nascimento resultantes da massagem de aromaterapia usando aplicações terapêuticas de qualquer óleo essencial” .

Ron Guba ressalta que a toxicidade durante a gravidez é quase exclusivamente devido a mulheres grávidas que tomam grandes doses tóxicas de óleos essenciais, principalmente o Poejo (rico em cetona e pulegone, que é metabolizado para o epóxido de furano altamente tóxico, menthofuron) e Semente de Salsa (Rica em éter de dimetilo, apiol) na tentativa de abortar o feto. E Battaglia compartilha essa visão: “o uso judicioso de óleos essenciais, juntamente com formas adequadas de massagem por um terapeuta hábil, pode ajudar a aliviar os desconfortos da gravidez e proporcionar um senso de nutrição que irá confortar a mãe em momentos em que ela pode estar se sentindo muito frágil” .

Devido à falta de informações claras sobre a toxicidade dos óleos essenciais durante a gravidez, seria melhor aderir às diretrizes gerais de segurança. De acordo com Tisserand e Balacs, os seguintes óleos essenciais não devem ser utilizados durante a gravidez: Absinto, Arruda, Musgo de Carvalho, Lavanda Stoechas, Cânfora, Salsa sementes, Sálvia e Hissopo.

Os seguintes óleos essenciais, adequadamente diluídos para uso na pele, parecem ser seguros para uso durante a gravidez: Benjoim, Bergamota, Pimenta Preta, Camomila (alemã e romana), Sálvia Sclarea, Cipreste, Eucalipto, Frankincense, Gerânio, Gengibre, Grapefruit, Junípero, Lavanda, Limão, Mandarina, Manjerona (doce), Neroli, Petitgrain, Rosa, Sândalo, Laranja (doce), Tea Tree, Ylang Ylang.”.

Se você quiser usar óleos de aromaterapia, é melhor tomar as seguintes precauções:

– Use apenas uma gota de óleo essencial de cada vez.

– Tente não usar um determinado óleo por um longo período de tempo, como todos os dias durante várias semanas.

– Dilua o óleo essencial misturando a gota com pelo menos uma colher de chá (5 ml) de um óleo base antes de adicioná-lo a um banho ou alise-o sobre a pele. O óleo de uva ou o óleo de amêndoas doces funcionam bem como óleos de base.

É melhor começar a usar óleos essenciais depois de passar o primeiro trimestre. Se você usá-los no primeiro trimestre, sempre consulte um aromaterapeuta treinado no tratamento de futuras mamães.

Posso usar Óleos Essenciais quando estiver grávida?
Tisserand diz ainda que a espécie de lavanda ( L. angustifolia ) não é um estimulante uterino . Quando usado no útero de rato isolado, na verdade reduziu as contrações (Lis Balchin e Hart 1999).

E o óleo de lavanda não tem efeitos adversos aparentes durante o parto. Foi um dos dez óleos essenciais oferecidos a 8.058 mulheres em um estudo de oito anos no Hospital John Radcliffe, em Oxford, no Reino Unido. Aromaterapia, no entanto, reduz a necessidade de medicação para dor. Durante os anos do estudo, o uso de petidina no centro de estudo declinou de 6% para 0,2% das mulheres (Burns et al., 2000).

Tisserand  conclui que ao fim de tantas pesquisas,  todas as indicações são de que o óleo de lavanda é completamente seguro de usar. Certamente não é um estimulante uterino – em qualquer dose.

As referências online ao óleo de lavanda como um estimulante uterino presumivelmente se originaram dos poucos livros (provavelmente começando com Valnet em 1964) que o descrevem como tendo uma ação emmenagógica.

Uma suposição foi então feita de que isso era devido a um efeito estimulante uterino, e uma suposição adicional foi feita de que, portanto, o óleo de lavanda poderia representar um risco de aborto espontâneo na gravidez.

No entanto, não há evidências de que as flores de lavanda ou o óleo de lavanda estimulem a menstruação. Assim são os mitos concebidos.

Houve um alarmismo infudado como podemos constata . Errar muito do lado da segurança tem uma desvantagem – cria medo, dúvida e confusão.

Ainda segundo Tisserand: “Embora os óleos essenciais não sejam adequados para uso na pele durante o primeiro trimestre, a difusão de óleos em casa pode ser útil para aliviar alguns dos efeitos colaterais relacionados à gravidez.

Para ajudar a combater o enjôo matinal, misture 2 gotas de óleo essencial de hortelã ou gengibre com 3 gotas de óleo essencial de limão em um difusor a vapor frio ou de tomada e respire profundamente para acalmar o estômago.

Tenha cuidado para não exagerar e limitar o tempo de uso do difusor por no máximo 1 hora a cada 24 horas.

Óleos essenciais podem ser usados ​​na pele após o primeiro trimestre, mas é melhor verificar primeiro com um profissional médico ou aromaterapeuta qualificado e jamais usar os óleos essenciais contraindicados

Posso usar Óleos Essenciais quando estiver grávida?

#useorganico

Fonte:
Oshadhi
Tisseeand UK
Robert Tisserand

Comentários

Bitnami