Beleza   |   20/08/2018   |   176 visualizações

A acne (do grego ákhné, que significa eflorescência) é uma das condições dermatológicas mais comuns e atinge as chamadas unidades pilossebáceas da pele (glândula sebácea e folículo piloso), chegando a afetar até 80% dos adolescentes entre os 13 e os 18 anos.

O que provoca a acne?  

Sua etiologia é multifatorial e hoje sabemos que existem quatro fatores básicos relacionados ao surgimento da acne, sendo que os dois primeiros decorrem de alterações ocasionadas na estrutura das glândulas por estímulo hormonal, o que geralmente acontece na fase de puberdade e adolescência:

  1. a comedogênese (formação do comedão);
  2. a hiperprodução sebácea (sebo);
  3. a colonização da pele pela bactéria Propionibacterium acnes (ou P. acnes, uma bactéria gram-positiva, anaeróbia, que faz parte da microbiobiota normal da pele);
  4. o processo inflamatório.

A lesão inicial da acne resulta, então, de uma obstrução dos folículos sebáceos por um excesso de sebo junto de células epiteliais que sofreram descamação. Estas condições causam as lesões não inflamatórias: comedões abertos (também conhecidos como cravos pretos) e os comedões fechados (cravos brancos). Como consequência, essa produção retida de sebo propicia a colonização bacteriana pelo P. acnes e, finalmente, a instalação do processo inflamatório em toda a glândula.

As lesões surgem geralmente nas zonas do corpo onde existe maior concentração de folículos pilossebáceos (face, região superior do tórax e dorso). 

Além do fator genético, a piora da acne pode estar relacionada também a situações de estresse, período menstrual, uso de certos medicamentos como corticoides, vitaminas do complexo B (em especial a vitamina B12), exposição exagerada ao sol, contato com alguns produtos gordurosos e, ainda, ao hábito de mexer nas lesões (“espremer cravos e espinhas”).

Classificação da acne

  • Acne Grau I: apenas cravos, sem lesões inflamatórias.
  • Acne Grau II: cravos e espinhas pequenas – pequenas lesões inflamadas e pontos amarelos de pus, também chamados de pústulas.
  • Acne Grau III: cravos, espinhas pequenas e cistos – lesões mais profundas e dolorosas, avermelhadas e bem inflamadas.
  • Acne Grau IV: cravos, espinhas pequenas e cistos, que se comunicam causando inflamação mais grave e aspecto desfigurante.  Este tipo também é chamado de acne conglobata.
  • Acne Grau V: acne com lesões graves, como cistos dolorosos que ulceram deixando grandes cicatrizes, acompanhado de sintomas gerais, como febre, mal estar e dor no corpo. É uma forma rara e mais comum no sexo masculino.

Ativos naturais na prevenção e tratamento da acne
Tratamento natural para Acne

Existem ativos naturais que produzem efeitos excelentes nas peles mistas e oleosas e atuam como verdadeiros tratamentos para acne. Confira alguns dos nossos queridinhos:

  • Argila verde: tem ações adstringentes, tonificantes e secativas, sendo um poderoso agente de limpeza e desintoxicação da pele. Promove esfoliação cutânea, agindo como um peeling natural. Ideal para uso diário quando na composição de sabonetes; já na forma de máscaras pode ser usada semanal ou quinzenalmente.
  • Melaleuca: também conhecida por tea tree ou árvore-do-chá, apresenta inúmeros benefícios para a pele acneica por ser rica em propriedades antissépticas, bactericidas, fungicidas, revigorantes e cicatrizantes. Pode ser utilizada na forma de óleo essencial 100% puro, hidrolato (água floral) ou estar presente na composição de sabonetes, tônicos, géis, cremes e loções para a pele.
  • Copaíba: o óleo de copaíba é chamado de “bálsamo da Amazônia” em razão de seus múltiplos efeitos positivos à saúde – em especial – da pele. Ele é um potente anti-inflamatório natural e também apresenta ação cicatrizante.
  • Óleo essencial de bergamota: tem ação antisséptica e ainda diminui a atividade das glândulas sebáceas (tanto da pele como do couro cabeludo), sendo excelente em casos de acne e oleosidade excessiva.
  • Óleo essencial de lavanda: é outro coringa da aromaterapia e que tem um incrível efeito na acne inflamatória, já que apresenta propriedades tônicas, cicatrizantes, calmantes, anti-inflamatórias e adstringentes.
  • Óleo essencial de palmarosa: tem ação antisséptica, cicatrizante e é um excelente regenerador celular, atuando inclusive nas manchas causadas pela acne.
  • Óleo vegetal de jojoba: é um ótimo aliado das peles oleosas e acneicas. Seu uso ajuda a controlar a secreção sebácea excessiva, desobstruir poros e a manter a pele limpa, suave e macia. Super versátil, ele pode ser usado como veículo carreador dos óleos essenciais, misturado ao hidratante facial e até como removedor de maquiagem.

Se você também é adepto(a) dos cosméticos naturais para cuidado da acne e pele mista / oleosa, deixe sua dica nos comentários. Vamos adorar!

#useorganico

Comentários

Bitnami