Aromaterapia   |   01/04/2024   |   8 visualizações

Aroeira combate a dengue? Descubra! Nesse texto você vai saber como aroeira pode te ajudar na prevenção da dengue e proteja sua família.

Dengue! A epidemia do momento já em muitas regiões pode estar chegando até você! Muito tem se dito sobre como evitar e como tratar e é bom lembrar que a Aromaterapia está aí para ajudar, sem polêmicas, mas com algumas considerações importantes.

O poder dos óleos essenciais contra a dengue

Aroeira combate a dengue? Descubra como os óleos essenciais podem ajudar. Quem já usa o poder repelente dos óleos essenciais sabe que funcionam ora sim ora não, mas com o Aedes Aegypt não podemos brincar. Duas grandes questões dos repelentes naturais são: eficácia e tempo de duração. A eficácia tem a ver com o ativo presente no óleo essencial e se é eficaz contra esse inseto específico, porque ser repelente é muito genérico, pode ser para uns tipos de insetos e não para outros. Antes de mais nada, é importante evitar a presença desse mosquito em nosso ambiente. Como seu comportamento é preponderantemente diurno, pelas primeiras horas da manhã e final da tarde, se proteger nesses momentos é crucial, inclusive evitando estar onde eles mais gostam de estar, perto de plantas que acumulem água e se possível até fechar portas e janelas.

Colocar óleos essenciais em difusores pode ajudar também. Como esses mosquitos gostam de lugares escuros, cuidado com as pernas embaixo das mesas. Vale a pena inclusive proteger-se usando calças grossas e, sabendo que podem picar através dos tecidos, fazer um spray para borrifar sobre as roupas com uma maior concentração de óleos essenciais pode ser uma boa saída, uma vez que sobre a pele, além de irritar, os óleos essenciais perdem sua eficácia rapidamente, em torno de uma hora ou menos.

Conheça essa dica para se proteger

Essa é uma dica que poucos conhecem: se for borrifar spray aromático no ambiente, que seja sobre um tecido, cartolina, papelão, sachê, algo que absorva e mantenha mais o aroma no ambiente. Pensando nisso, selecionamos 3 receitas a seguir.

1) Loção Corporal: 66 ml de creme neutro, 20 ml de gel de aloe vera, 10 ml de bálsamo de Copaíba ou óleo vegetal de Andiroba, 15 gotas de OE de Cravo Folhas, 30 gotas de OE de Patchouli, 45 gotas de OE de Petitgrain e 30 gotas de OE de Pimenta Rosa, que demonstrou atividades larvicida, inseticida e repelente. A concentração é mais forte e para ser usada apenas nas áreas mais expostas e logo antes dos horários de exposição e reaplicada a cada uma hora.

Óleo Vegetal de Andiroba

2) Sinergia ambiental para difusor ou rechô: 4 gotas de OE de Citronela, 3 gotas de OE de Cravo ou Petitgrain e 3 gotas de Sândalo Amyris, Patchouli ou Vetiver.

Óleo Essencial de Citronela Orgânico

3) Spray para roupa: 100 ml de álcool de álcool de cereais, 30 gotas de OE de Cravo Folhas, 30 gotas de Citronela ou Pimenta Rosa ou Laranja, 30 gotas de Copaíba ou Petitgrain. Outros óleos essenciais repelentes que podem ser usados também: Gerânio, Lavandim, Hortelã-pimenta, Eucalipto Globulus e Citriodora, Litsea Cubeba, Tomilho.

Óleo Essencial de Petitgrain

Fique atenta a essas informações sobre os óleos essenciais

Os óleos essenciais mais voláteis são ótimos, mas duram menos, são os cítricos (limoneno, bom repelente), citronela, alecrim, hortelã-pimenta, eucaliptos e para que permaneçam mais no ambiente devem ser associados a óleos essenciais mais densos, ou seja, menos voláteis como petitgrain, patchouly, vetiver, sândalo amyris, tudo isso é ensinado no Curso Introdutório na Aromaflora.

Alguns óleos são muito irritantes ou sensibilizantes na pele e devem ser usados com cautela, como cravo, canela (que pode ser usado para o ambiente e no spray de tecido), litsea cubeba, capim limão, limão. Já outros são bem seguros e por isso podem ser usados em concentração maior inclusive na pele como petitgrain, patchouli, sândalo, copaíba e vetiver. São muito seguros.

Adicionar óleo vegetal no creme é uma boa alternativa, embora alguns profissionais não indiquem Andiroba, que é um um óleo maravilhoso e usado muito na Amazônia igualmente ao bálsamo de Copaíba. São eles que ajudarão a manter os óleos essenciais mais tempo na pele. Usem!

No ambiente, apesar de ser um uso seguro, já estão começando a estudar as contraindicações por essa via, pois já há relatos de pessoas se sensibilizando com Canela e Gerânio, todos precisam saber de seus limites, mas é preciso testar.

Na Aromaterapia, temos vários estudos científicos, mas lembrem-se, o mais importante é a experiência de cada um de vocês, as trocas de conhecimento, a sabedoria popular, as tentativas e erros. É de extrema importância ter senso crítico. Ouvir o que os profissionais da área tem a dizer – muitas vezes um contradizendo o outro, pois todos tem suas próprias fontes e experiências e ver o que mais faz sentido para você. Estudar em instituições tradicionais e sérias, adquirir óleos essenciais e vegetais de boa qualidade e criar seu próprio repertório!

E por último, mas não menos importante, a receita da Secretaria do Meio Ambiente contendo álcool, óleo mineral (ou vegetal) e botões de cravo vai ser eficiente? Sim! Será eficiente, mas temos mais recursos na aromaterapia e nada impede de você fazer, de preferência com óleo vegetal, que como disse, ajuda a manter os ativos mais tempo na pele. 

Segue o link de referência dessa matéria sobre o óleo essencial de Pimenta Rosa com atividade larvicida (o spray de tecido também pode ser borrifado em locais potenciais para criadouros de larvas do Aedes Aegypt), inseticida e repelente aqui.

Beatriz Yoshimura

Leia também:

Como saber se é um óleo essencial natural de qualidade

Como utilizar o óleo essencial de alecrim?

Comentários

Não tóxico

Não testado
em animais

Livre de
parabenos

Vegano

Gluten-Free