Bem Estar Saúde   |   27/01/2021   |   89 visualizações

Você conhece a medicina integrativa? Descubra neste post quais os conceitos por trás desta abordagem da saúde.

A Medicina Integrativa parte do pressuposto de que o indivíduo é um ser integral. Isso significa que ela trabalha observando o ser humano em sua completude, considerando os fatores físicos, emocionais, mentais, ambientais, culturais, espirituais e sociais que influenciam no que cada pessoa é e como está sua saúde.

O que diferencia a Medicina Integrativa da Medicina Convencional?

Enquanto a Medicina Convencional divide o corpo em partes para estudá-lo e intervir em suas desordens, a Medicina Integrativa, além de enxergar o indivíduo como um todo, considera que suas partes estão intimamente relacionadas e são interdependentes.

Assim, busca um sentido mais amplo de cura, e o foco da atenção do médico, psicólogo ou terapeuta integrativo é voltada para o paciente e não apenas à sua enfermidade.

Além disso, após cada diagnóstico, são propostos tratamentos convencionais associados a terapias integrativas e complementares que possam ser utilizadas em conjunto de forma a aumentar o potencial de cura e bem estar.

O papel do indivíduo na Medicina Integrativa

Nessa abordagem, o paciente funciona como seu próprio agente de saúde. Ele é o ator principal no processo de tratamento.

A pessoa deixa de receber passivamente as orientações de tratamento para uma doença e passa a participar ativamente da própria saúde.

A Medicina Integrativa no Brasil

Desde 2006 o Brasil possui a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares, que tem como objetivo implementar tratamentos alternativos baseados em evidências científicas na rede de saúde pública do Brasil, através do Sistema Único de Saúde (SUS).

Quando foi criada a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), eram ofertadas apenas cinco práticas integrativas. Após 10 anos, em 2017, foram incorporadas mais 14, e em 2018 mais 10, chegando a 29 práticas disponíveis atualmente à população.

Entre as prática disponíveis pelo programa estão:

  • Apiterapia
  • Aromaterapia
  • Bioenergética
  • Constelação familiar
  • Cromoterapia
  • Geoterapia
  • Hipnoterapia
  • Imposição de mãos
  • Ozonioterapia
  • Terapia de florais
  • Ayurveda
  • Homeopatia
  • Medicina tradicional chinesa
  • Medicina antroposófica
  • Plantas medicinais/fitoterapia
  • Arteterapia
  • Biodança
  • Dança circular
  • Meditação
  • Musicoterapia
  • Naturopatia
  • Osteopatia
  • Quiropraxia
  • Reflexoterapia
  • Reiki
  • Shantala
  • Terapia comunitária integrativa
  • Termalismo social/crenoterapia
  • Yoga

Você sabia disso? Já recorreu a alguma prática integrativa? Qual a sua preferida? Compartilha com a gente!

Comentários